Deficientes físicos sofrem com falta de adaptação do transporte público

cadeirante em direção a porta acessível do ônibus da prefeitura de são pauloApenas 62% dos ônibus de SP são preparados para transportar deficientes.
Das 89 estações da CPTM, 38 são adaptadas, menos da metade do total.

Para os deficientes, usar ônibus, Metrô e trem em São Paulo pode ser complicado. O Anda SP acompanhou a viagem de transporte público da professora Eliane Cristina Correa, que usa cadeira de rodas.

Eliane é moradora do Grajaú, na Zona Sul da capital, e treina tênis de mesa na Praça da Árvore, também na Zona Sul. Estar na mesma região não significa necessariamente estar perto: a distância percorrida é de mais de 20 km.

O caminho começa cedo. “ Acordo 4h da manhã para, no máximo, 5h10 estar saindo de casa”. Eliane não tem carro e, para chegar ao destino, precisa pegar dois ônibus ou usar o trem e o Metrô.

Quando vai de ônibus, a professora não pode se atrasar. “Tem vários que fazem o caminho, mas não são todos que tem acessibilidade”. São Paulo tem hoje pouco mais de 9,3 mil ônibus adaptados. Isso representa 62% da frota da cidade.

A professora deixou passar três ônibus que iam para a Praça da Árvore porque não eram adaptados. Ela só conseguiu embarcar no quarto que passou pela Avenida Belmira Marin, mas não foi fácil. “A calçada não é nivelada, aí depende da boa vontade do cobrador, de alguém que está do lado para poder auxiliar. Foi o que aconteceu hoje. Isso atrapalha muito”, diz.

No dia seguinte, Eliane fez o mesmo caminho usando trem e Metrô. Das 89 estações da CPTM, 38 são adaptadas – menos da metade do total.

A Estação Grajaú, onde Eliane embarcou, é uma das adaptadas. Tem elevador e funcionários para ajudar os deficientes. No Metrô, ela também não teve dificuldade. As 64 estações e os 164 trens do Metrô são acessíveis às pessoas com deficiência.

“Em termos de acessibilidade, o segundo dia foi melhor. O trem e o Metrô têm mais acessibilidade, têm mais o suporte humano mesmo. Com relação ao ônibus, falta esse recurso humano. Também falta a questão da acessibilidade mesmo. As calçadas não estão niveladas, a plataforma do ônibus não está de encontro, então isso torna o embarque mais difícil, tanto o embarque quanto o desembarque”.

 

 

 

Fonte: G1

Eu sou Lúcia Mara Formighieri, cega, graduada em Comunicação Social/Jornalismo há 12 anos e apaixonada por livros. Idealizadora deste blog, parceira e colunista no Congresso de Acessibilidade, Canal de Notícias, entre outros.

“O que eu posso fazer enquanto comunicadora, para transformar a vida das pessoas?

Com este questionamento, criei este Blog, Literagindo, para tratar de Literatura e Leitura Inclusivas!

Venha Literagir com a gente!